quarta-feira, 17 de agosto de 2011

A LENDA DO VINHO





A LENDA DO VINHO

PÁSSARO, LEÃO E BURRO


Conta uma lenda que Baco, o Deus do vinho - também conhecido por Dionísios - encontrou certo dia uma planta muito delicada e pequenina. Como ela era ainda muito nova e frágil, para protege-la, colocou-a dentro de um osso de pássaro. Porém, como a planta começou a crescer e o osso ficara pequeno, colocou-a em um osso maior, dessa vez de leão. Continuando a crescer, a planta necessitava de um lugar ainda maior. Baco colocou-a dentro de um osso de burro.

Adulta, a planta deu frutos, as uvas Sua contínua dedicação àquela experiência, conduziu-o à descoberta do modo de transformar uvas em um licor delicioso. Foi aí que nasceu o vinho, com a qualidade dos seres que haviam participado de seu desenvolvimento, o pássaro, o leão, o burro, que correspondem à ALEGRIA, FORÇA E ESTUPIDEZ .

A partir daí, o uso do vinho ficou condicionado à seguinte norma grega da arte de beber (meden agán) ou seja (nada de excessos). Aqueles que bebem vinho, adquirem as duas primeiras qualidades: - desfrutam momentaneamente de uma ALEGRIA DE PÁSSARO e de uma AUDÁCIA DE LEÃO. Para aqueles que excedem, fraqueza e embrutecimento os esperam. Tornam-se BURROS de duas patas, infinitamente mais inúteis e estúpidos que os de quatro. Embora esta lenda seja de origem grega, povos da Índia, do Egipto e da Espanha já conheciam o vinho desde os tempos remotos.

Foto da Net

GOLDFINGER


10 comentários:

Maria disse...

Curiosa esta lenda. A verdade é que os passos alegria, força, estupidez são aplicáveis...

:)))
Beijinho, António.

Goldfinger disse...

Olá Maria

Publiquei porque acho que a realidade se enquadra perfeitamente nesta lenda.

Beijinho Maria

elvira carvalho disse...

Ora aqui está uma lenda bem interessante e que eu desconhecia.
Bom que voltou amigo.
Um abraço

Goldfinger disse...

Olá Elvira

Pois é verdade, voltei! Não tenho bem a certeza se será para vir com regularidade mas vou tentar.
Também acho esta lenda interessante.

Um abraço

BRANCAMAR disse...

As coisas que tu descobres António e o quanto aprendemos contigo!
Interessanre esta lenda!

Quanto a voltares é bom que o faças, porque eu também andei meia intermitente e até sofri um eclipse total por todo o fim de semana, :), puf! o Brancamar ficou mesmo eliminado, mas depois reparei que era recuperável no prazo de 90 dias. Quando voltei dei-lhe um ar mais azul e tenho a certeza que vais adorar o novo cabeçalho, aliás o teu está na mesma onda, uma coincidência em que ainda não tinha pensado. Venho aqui muitas vezes recordar, a minah filha adora a praia das crianças em Vila Praia de Âncora, onde a água é sempre quentinha por ter muito pé, aí do lado de lá dessa ponte que tens acima. Agora passamos a ser vizinhos de praia nos blogues e eu adoro as duas prainhas da minha adolescÊncia e de toda a minha vida até há bem poucos anos.

Volta sempre, porque este grupo lindo dos primeiros amigos e outros mais é que me fizeram regressar.

Beijos

Goldfinger disse...

Olá Branca

Mana, como quase sempre te chamei, gosto de te ler e de saber que me visitas de vez em quando. Realmente aquele grupinho de amigos ainda se vai mantendo por cá. Sempre fui pouco cumpridor com o meu dever de visitar amigos mas nunca o fiz por mal.
Vou tentar vir com mais regularidade e passear pelos vossos blogs.

Irei já ao teu para ver o teu novo "ar".

Beijinhos.


Nota: Ainda estou à espera de uma visita para um café.

BRANCAMAR disse...

António,

Como diz lá no meu post não é necessária uma presença constante quando a amizade é pura e verdadeira. Eu também não tenho sido muito frequente e todo aquele nosso grupinho tem tido os seus problemas de saúde ou outros e tem sido mais ou menos intermitente. O importante é que nunca nos esquecemos uns dos outros e isso é muito bonito.

Eu também anseio esse café António, mas temos andado ao contrário, agora que estás no Minho ando eu por Leiria muitos fins de semana, já que a filha está a fazer um estágio profissional na Câmara daquela cidade.

Num destes próximos fins de semana ela virá por cá e como está cheia de saudades de Vila Praia de Âncora, quem sabe iremos por esses lados?!

Sei que a Fátima Camilo também vai muito pelo Minho, seria óptimo se ela por aí estivesse, senão encontrala-ei noutra ocasião. Este ano não deu para fazer férias por essa bandas, já que a filha se mudou em Junho e aproveitei para ao mesmo tempo que a ajudava descansar pelo centro do país.

Então talvez até breve.

Beijos

Goldfinger disse...

Branca

Pois pelos vistos andamos ao contrário. Eu vim de perto de Leiria para Vila Praia de Âncora e tu vais agora muitas vezes para lá. É a vida que tem destes mistérios.Pode ser que um dia destes venhas por estes lados e nessa altura sabes que estou à espera para o tal cafézinho.

A Fátima Camila costuma vir por altura das festas d'Agonia mas este ano se veio não me visitou.

Hei-de falar com ela um dia destes.


Beijinhos.

António

Goldfinger disse...

Branca

Pois pelos vistos andamos ao contrário. Eu vim de perto de Leiria para Vila Praia de Âncora e tu vais agora muitas vezes para lá. É a vida que tem destes mistérios.Pode ser que um dia destes venhas por estes lados e nessa altura sabes que estou à espera para o tal cafézinho.

A Fátima Camila costuma vir por altura das festas d'Agonia mas este ano se veio não me visitou.

Hei-de falar com ela um dia destes.


Beijinhos.

António

São disse...

rrsss desconhecia a lenda, que é interessante.

Gostei também da nova decoração.

Um abraço para vós, Tonico.