quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

QUARENTA MIL IDOSOS PASSAM FOME EM PORTUGAL


Segundo um inquérito da Deco
Pelo menos 40 mil idosos portugueses não têm capacidade financeira para comprar alimentos, concluiu um inquérito realizado pela Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco). De acordo com o mesmo estudo, o custo dos produtos alimentares é ainda uma das razões para que não consumam refeições mais saudáveis.

O estudo, realizado entre Fevereiro e Março através de um questionário a que responderam 3400 idosos, com idades entre os 65 e 79 anos, e que será publicado na edição de Novembro da revista Proteste, concluiu que “o preço é o factor que mais decide a escolha” dos alimentos para 64 por cento dos inquiridos, seguindo-se o sabor e a qualidade dos alimentos.

Ainda de acordo com os inquiridos, 76 por cento dos portugueses têm “hábitos alimentares pouco saudáveis, os quais pioram com o avançar da idade”, enquanto cerca de um quarto dos afirmou ter uma alimentação saudável. A “difícil situação económica e a falta de autonomia influenciam de forma negativa o que se come: mais de um quinto dos inquiridos indicou ter dificuldades financeiras”, acrescenta a Deco.

Os autores da investigação apuraram mesmo que três por cento dos inquiridos passou fome na semana anterior a responderem a estas perguntas. Entre os motivos que os idosos apresentam para comer mal estão os problemas dentários (35 por cento), as dificuldades económicas (24 por cento), a falta de apetite (13 por cento) e os medicamentos (12 por cento).

Partindo do princípio que uma dieta equilibrada e saudável precisa de refeições sem mais de quatro horas de intervalo, o inquérito apurou que apenas cinco por cento dos idosos seguem esta norma. Sete por cento dos inquiridos não tomam o pequeno-almoço e, em média, os idosos fazem quatro refeições diárias, o que “é pouco”. As regiões do Norte, Centro e Alentejo são as que têm mais inquiridos a “comer mal”.

No que diz respeito aos alimentos, o estudo apurou uma preferência pela carne em detrimento do peixe, uma opção “pouco saudável”. “O custo do peixe é um dos factores que explica esta opção”, lê-se no estudo.

O inquérito revela ainda que, principalmente nos homens, os idosos bebem mais álcool do que deviam: mais de dois copos por dia, o que “é excessivo”. Também em demasia se encontra o consumo de doces, já que 70 por cento indicaram que os comem, pelo menos, duas vezes por dia.

Este estudo foi realizado a propósito do Dia Internacional dos Idosos


SER IDOSO É SER VELHO?
Idoso é quem tem muita idade; velho é quem perdeu a jovialidade.
A idade causa a degenerescência das células; a velhice, a degenerescência do espírito .
Você é idoso quando se pergunta se vale a pena; você é velho quando, sem pensar, responde que nâo.
Você é idoso quando sonha; Você é velho quando apenas dorme.
Você é idoso quando ainda aprende; Você é velho quando já nem ensina.
Você é idoso quando se exercita; Você é velho quando apenas descansa.
Você é idoso quando o dia de hoje é o primeiro do resto de sua vida;
Você é velho quando todos os dias parecem o último da longa jornada.
Você é idoso quando seu calendário tem amanhãs; Você é velho quando ele só tem ontens.
O idoso se renova a cada dia que começa.O velho se acaba a cada noite que termina.
Pois enquanto o idoso tem seus olhos postos no horizonte, onde o sol desponta e ilumina a esperança , o velho tem sua miopia voltada para as sombras do passado.
O idoso tem planos, o velho tem saudades .
O idoso curte a vida. O velho sofre, plena de projetos e a preenche de esperança. Para ele, o tempo passa rápido, mas a velhice nunca chega.
Para o velho, suas horas se arrastam destituídas de sentido.
As rugas do idoso são bonitas porque foram marcadas pelo sorriso; as rugas do velho são feias porque foram vincadas pela amargura.
Em suma , o idoso e o velho podem ter a mesma idade no cartório, mas têm idades diferentes no coração. Que você, idoso, tenha uma longa vida, mas nunca fique velho.
Fotos da Net

GOLDFINGER

2 comentários:

São disse...

Pieguices, meu amigo , pieguices, pois temos que ir para a frente custe o que custar!

Um abraço com muita angústia neste país a agonizar

elvira carvalho disse...

Não me admira. Com o valor das reformas e o preço dos alimentos básicos...
Curioso que nunca me tinha olhado pelo prisma do segundo texto.
Um abraço