domingo, 2 de agosto de 2009

ESTAMOS A DESAPARECER A POUCO E POUCO



População portuguesa continuará a diminuir e a envelhecer mais





Se forem excluídos os imigrantes, a população poderá chegar aos 8,1 milhões, ou seja, menos 25%, em 2060.





Lisboa - A população em Portugal deverá manter-se em torno dos 10 milhões, em 2060, mas, se forem excluídos os imigrantes, a população poderá chegar aos 8,1 milhões, ou seja, menos 25%, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).





Ainda de acordo com o INE, há um envelhecimento generalizado da população portuguesa. As projecções indicam que, em 2060, os indivíduos com 80 e mais anos possam representar mais de 15% do total.

“De acordo com os resultados obtidos no cenário central, a população residente em Portugal continuará a aumentar até 2034, atingindo 10.898,7 milhares de indivíduos, ano a partir do qual os efectivos populacionais diminuirão. A população atingirá valores abaixo dos de partida (2008) em 2053, projectando-se para 2060 uma população total de 10 364,2 milhares de indivíduos, valor ainda assim superior aos obtidos pelas estimativas de população residente em Portugal para o período entre 1980 e 2002”, revela o INE.





Excluindo os fluxos migratórios externos, “Portugal perderia efectivos populacionais ao longo de todo o período de projecção, podendo o total reduzir-se para 8 105,1 milhares de indivíduos até 2060, o que representaria um decréscimo de cerca de 25% dos efectivos populacionais nos próximos 50 anos”.

O cenário mais “baixo” aponta para que a população residente em Portugal diminua a partir de 2016 e que mantenha essa trajectória até 2060, culminando em 8.910,7 mil pessoas.







O INE aponta também para o envelhecimento da população e estima que os indivíduos com 80 e mais anos possam representar entre 12,7% e 15,8% do total, em 2060.

O estudo constata que “em qualquer dos cenários considerados, a proporção de jovens (menos de 15 anos) reduzir-se-á (de 15,3% em 2008 para 11,9% em 2060, no cenário central), tal como a percentagem da população em idade activa (de 67,2% em 2008 para 55,7%, no cenário central). Tal sucede em oposição ao aumento considerável do peso relativo da população com 65 ou mais anos de idade, que no cenário central quase duplicará (passando de 17,4% em 2008 para 32,3% em 2060)”.

África 21 Digital

Fotos da Net

GOLDFINGER



3 comentários:

Isamar disse...

Infelizmente esta é uma realidade que me preocupa. A população envelhece, Portugal pode mesmo tornar-se um país de velhos,mas onde estão as condições para poder ter filhos? Não revela esta situação algum sentido de responsabilidade por parte dos jovens casais pelo acompanhamento das suas " crias" de modo a poder assegurar-lhes um futuro digno? E se não têm emprego ou auferem salários muito baixos como podem pagar casa, alimentos, vestuário, creches e infantários, estudos...
A crise é grande,a desconfiança no futuro ainda é maior.

Beijinhossssss

Bem-hajas, Tó!

Filoxera disse...

O meu amigo é que anda desaparecido :-)
Agora a sério: mas isto são tempos para se ter filhos? Vive-se com o coração nas mãos!
Um beijinho.

gaivota disse...

infelizmente é toda a verdade que aqui nos relatas...
são mais fáceis de cair nos velhos contos do vigário...
beijinhos