domingo, 1 de março de 2009

AFINAL OS CORREIOS TAMBÉM FUNCIONAM MAL EM TERRAS DE SUA MAJESTADE!


Vale falta a julgamento e a culpa é do carteiro

João Vale e Azevedo só não foi oficialmente notificado da audiência na Boa-Hora porque a notificação nunca lhe chegou às mãos

As dificuldades sentidas pela Justiça portuguesa para notificar João Vale e Azevedo para a audiência que definiria o cúmulo jurídico de todas as penas de prisão do ex-presidente do Benfica ficaram a dever-se ao extravio da carta enviada pelo Tribunal da Boa-Hora para Inglaterra.

Segundo o advogado inglês de Vale e Azevedo, a responsabilidade da situação, que obrigou ao adiamento da audiência (ver caixa) é sua e dos correios britânicos “Tratou-se de um erro genuíno, porque a carta veio endereçada para aqui [escritório dos advogados] e eu reencaminhei-a para o dr. Azevedo, mas pelos vistos ficou pelo caminho”, explicou Edward Perrott, contactado pela agência Lusa.



O problema foi o “talão vermelho”

Negando qualquer outro tipo de intenções neste processo, Perrott fez questão de referir que a Justiça portuguesa “agiu correctamente” ao enviar a notificação para o seu cliente, mas adiantou que, “pelos vistos, havia um talão vermelho que precisava de ser devolvido” e que não o foi porque a carta foi extraviada nos serviços postais ingleses após o reenvio para Azevedo.

O advogado inglês salientou ainda que está a “tentar resolver a situação”, tendo rejeitado a ideia de que o ex-presidente encarnado esteja desaparecido e assumido ter responsabilidades no episódio. De recordar que João Vale e Azevedo permanece sob termo de identidade e residência no Great Fosters Hotel, em Egham, cerca de 35 quilómetros a oeste de Londres, sem passaporte nem autorização para viajar para o estrangeiro. Uma situação que se mantém desde que um tribunal de primeira instância inglês deu provimento ao pedido de extradição a 27 de Novembro do ano passado.





Comentário:

E eu a pensar que era mais uma forma do Dr. Vale e Azevedo vir até Portugal. Puro engano! Afinal os correios na terra de Sua Majestade também funcionam mal. Como é fácil fazer-mos maus juízos a respeito das pessoas… o Dr. Não teve responsabilidade nenhuma no extravio da carta convocatória e assim a audiência foi de novo adiada…

Caramba, deve ser uma maçada para o homem que gostaria de ver as coisas despachadas e arrumadas em definitivo…

Eu por acaso até pensava que convocar o arguido ou o seu advogado era praticamente a mesma coisa, e pelos vistos não é, ou cá em Portugal é?

Nestas coisas que metem tribunais e advogados é sempre difícil saber como se deve agir. Só mesmo eles sabem dar a volta às coisas. Também é para isso que são advogados e queimaram as pestanas a tirar um curso.

Neste caso particular, alguém foi mauzinho e foi perguntar ao advogado inglês, do advogado português, se o advogado português estaria desaparecido. Só mesmo por ser mauzinho. Então o Dr. Está com termo de identidade e residência num Hotel de Egham, a uns escassos 35 quilómetros de Londres, sem passaporte nem autorização de viajar para o estrangeiro, logo difícil de lhe ser enviada uma convocatória para um qualquer julgamento, e o seu advogado inglês também com dificuldade em o contactar, e agora foram fazer uma pergunta destas… francamente…

Ele há cada um…. Só mesmo por se ser mauzinho!

Fotos da Net

GOLDFINGER


4 comentários:

Maria disse...

Eu apenas me pergunto como é que ele conseguiu sair daqui e viajar calmamente até lá... e depois o "esquema" montado dá para tudo, mesmo...
É a impunidade em toda a sua plenitude!

Beijinho

Cata-Vento disse...

Já viste a chatice? Só não vem a Portugal porque o carteiro, certamente um invejoso, não quis que ele viesse de férias ao seu cantinho à beira-mar plantado. Há com cada uma!

Beijinhos mil

Bem-hajas!

São disse...

Eu já nem tenho palavras para dizer a indignação e afíria, sabes?
Um abraço , amigo.

Filoxera disse...

Há correio...
Beijinhos.