quinta-feira, 9 de julho de 2009

VÍRUS H1N1 EM PORTUGAL, E DEPOIS?



Açores: Mulher grávida com gripe A

A Secretaria Regional dos Açores anunciou esta quinta-feira que uma mulher grávida, de 33 anos, está infectada com vírus H1N1, elevando para 10 o número de casos confirmados naquela Região Autónoma.





Paciente está estável

A paciente, residente da Ilha de São Miguel, regressou há dois dias de Espanha. A mulher está internada no Hospital de Ponta Delgada e o seu estado clínico é estável.

Entretanto, deram negativos os resultados das análises realizadas a uma criança de três anos, irmã do bebé de 13 meses infectado com vírus H1N1 e que motivou o encerramento de uma creche em Ponta Delgada.

De acordo com o mais recente balanço, e somado este caso, Portugal conta já com 62 casos confirmados de gripe A. Já hoje, ficou a saber-se também que uma cidadã portuguesa portadora do vírus exportou a doença para Macau, onde contagiou o filho e uma neta de 14 anos.

Correio da Manhã







Comentário:

Vai crescendo de forma gradual, o número de infectados com o vírus H1N1 em Portugal. Não fico admirado com este aumento porque ele vem apenas confirmar aquilo que as autoridades têm vindo a dizer, alertando a população para uma realidade inevitável.

Acredito na prevenção possível que está em curso e verifico que o estado de saúde destes casos confirmados no nosso país é estável e creio não correm perigo de vida.

Mas, ando algo preocupado com todo este processo. É que não sei o que acontece depois de se contrair este vírus, nem como a vida de quem está contaminado se irá processar.

Leio que esta gripe pode provocar a morte e são já inúmeros os casos que infelizmente a comunicação social tem noticiado. Têm acontecido em outros países é certo, e não penso que sejamos mais afortunados que os outros para que em Portugal isso não venha a acontecer. Peço a Deus que não aconteça mesmo nenhum caso fatal no nosso país.

Mas aqui começa a minha preocupação e ando cheio de dúvidas e interrogações. Será que afinal estes casos detectados em Portugal são tratados nos Hospitais, em quarentenas naturais por causa dos riscos de contágio com todos aqueles que com eles contactam ou contactaram, mas depois de devidamente tratados voltam para casa, completamente curados, sem que o vírus os acompanhe? Será que depois da cura não podem continuar a contaminar quem com eles lida? Que cuidados terão de existir na vida destas pessoas depois de terem alta dos hospitais? Voltarão à vida normal sem qualquer risco para eles e para os outros?

É o depois que me aflige e por mais que procure, não encontro as respostas em nenhum jornal nem em nenhum comunicado da Senhora Ministra da Saúde.

Alguém sabe responder?

Fotos da Net

GOLDFINGER



4 comentários:

Maria disse...

É minha opinião que o governo está a encarar este problema de forma muito ligeira...
Vamos ver.

Beijinho, G.

gaivota disse...

haverá resposta??? haverá algumas certezas neste problema e tratamento, vacinas...
também anddamos um pouco alarmados, atentos...
beijinhos

Fatima disse...

Medo....mmmuuiiittoooo medo!!!!

elvira carvalho disse...

Passei. Deixo um abraço e votos de bom fim de semana.
Sem gripes...